segunda-feira, 19 de abril de 2010

Resistência HRS - Slot Car Clube de Lisboa

No passado sábado, desloquei-me ao SCCL para realizar a segunda prova do Campeonato de Resistência HRS que está em curso no clube de Lisboa e que tem como principal objectivo preparar, o melhor possível, a próxima surtida a terras nortenhas para mais uma edição das 24 Horas do Porto.

A prova decorreu em ambiente de franca camaradagem e divertimento, com as diferentes equipas a testarem soluções mais ou menos criativas ou sui-géneris, para enfrentarem a dureza das 24 Horas. Eu faço equipa com o José Ribeiro e o Carlos Afonso, embora este último ainda não tenha podido participar por motivos vários e particulares.

Se primeira prova corremos com um extraordinário Maserati MC12, o modelo da Superslot/Scalextric, apelidado de "bacalhau" em virtude das suas mais que generosas dimensões e acabámos por ficar em segundo lugar, posição que na altura soube a vitória, nesta segunda prova coube-nos em sorte um seguro e rápido Corvette C6-R, tendo conseguido atingir o terceiro posto final. Quanto ao "bacalhau" esse foi parar às mãos da equipa do Ricardo Inácio e do Arlindo Barbosa que tudo fizeram por ficar à nossa frente.

Mas o que mais interessa nem é tanto a prova e os seus resultados. O que mais interessa é o que se passa a seguir. Senão vejamos:

1. Na primeira prova fomos acabar a corrida em frente de umas sapateiras numa cervejaria de Alcântara.
2. Na segunda prova atravessámos a Vasco da Gama e fomos ali para os lados da Moita comer um bife gigante.

Já se prepara a terceira prova. Os carros são o menos importante. O local do repasto, isso sim, é que é digno de um maior cuidado. Este campeonato de resistência está a tornar-se num belíssimo roteiro gastronómico.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Rally do México no Oeste Slot Center

Desde que pratico Slot que sempre gostei mais de realizar corridas de velocidade. Embora o meu gosto pelos Rallys remonte há muitos anos atrás quando tínhamos o hábito de nos deslocarmos a Sintra, à Lagoa Azul, à Peninha, ao Gradil, a Montejunto ou a Coruche para vermos as belas máquinas dos anos oitenta a "assaparem" por aquelas estradas ou caminhos, eram as corridas em pista, F1 e Sport Protótipos, que eu seguia com maior interesse e paixão.

Por isso, foi natural que quando comecei a praticar me dedicasse com mais afinco às provas de velocidade e que dirigisse a minha colecção de slots para modelos de pista. De qualquer modo, sempre que possível, lá adquiria um modelo de rally que tivesse sido representativo de uma determinada época. E é assim que na minha colecção co-habitam pacificamente com os modelos de Le Mans alguns importantes carros de rally.

Ainda me lembro do primeiro rally que experimentei. Foi há uns anos na JP-Racing e corri com um Peugeot 206 WRC da SCX, porque me parece que o rally era um troféu SCX. Não me lembro da classificação, nem tal era importante. Lembro-me sim de ter tido alguma dificuldade de adaptação e de não ter feito nada de jeito. Só muito mais tarde é que voltei a correr um rally, neste caso dois, e foi durante o Regional organizado pela JP-Racing, a Hot Slot Racing e a Slotarrábida. Nessa altura corri com um Peugeot 206 WRC 1:24 e, apesar dos resultados não serem nada de especial, gostei muito de ver o carro a evoluir pelos diferentes troços e a vontade de repetir cá ficou.

Depois de mais algumas tentativas, achei que estava na hora de experimentar um rally "sujo". E posso afirmar que muita impressão me fazia sujar os carrinhos todos, mas lá fui ao primeiro rally organizado pelo Oeste Slot Center, o Rally de Monte Carlo, e fiquei cliente. Entretanto repeti a dose com mais uma rally em "neve", o da Suécia, e finalmente experimentei as escorregadelas da "terra" neste último Rally do México.


Eram grandes as expectativas que levava para esta prova, não tanto pelas repetições de carros (decidi continuar a levar os mesmos que aos anteriores) mas pelo facto de ir estrear em competição o muito recente Ford RS200 da Avant Slot.


Se de alguma forma as minhas expectativas se confirmaram em Grupo N, onde obtive um terceiro lugar, e em WRC 1:24, onde fiquei em segundo, as outras classes em que corri já não me foram tão favoráveis. Assim, em Clássicos com o meu Peugeot 205 T16, carro que me serve para abrir as provas e me dar algum conhecimento dos troços, quedei-me por um modesto nono lugar; em WRC Ninco, com um Citroen C4 fiquei num honroso quarto lugar. Mas foi nos Clássicos 4x4 1:24 que a desilusão foi maior: obtive apenas um oitavo lugar. 


De facto, este Ford RS200 ainda tem muito trabalho pela frente: tem de se tratar daquele patilhão, encontrar um motor melhor e tentar "prender-lhe" a traseira o mais possível porque na maior parte das vezes mais parece um 4x2. Enfim, problemas de juventude.


De qualquer modo, um segundo lugar à geral é uma classificação que muito me orgulha. Ainda por cima o meu Peugeot 307 WRC da Avant Slot não sofreu qualquer transformação ou afinação de fundo desde que o adquiri, a não ser, claro, a inclusão de umas jantes PKS e dos respectivos pneus para sujo. De resto, alturas, basculação, patilhão, está tudo como vinha de origem.


Este fim de semana que se aproxima é a vez do Rally da Turquia. Vou levar a maioria dos carros novamente, mas vou dar descanso aos Peugeot 205 T16 e 207 e correr em Clássicos com um Lancia 037 e em Grupo N com o novo Mitsubishi Lancer EVO X. O primeiro só tem tracção a duas rodas mas é muito bonito e está na altura de sair da prateleira para "sentir" alguma competição, nem que seja só para abrir a pista e ficar em último. Pelo menos vai passear a sua classe pelos troços da Turquia. O segundo creio que vai ser uma experiência interessante porque vai correr exactamente com o chassis do 207 sem qualquer modificação.


domingo, 11 de abril de 2010

Mitsubishi EVO X - Avant Slot


O último modelo a entrar na "garagem" para começar a sua vida competitiva foi o último lançamento da Avant Slot para rally: o Mitsubishi Lancer EVO X de Grupo N, com a decoração utilizada por Xevi Pons e Alex Haro no Rally Costa Blanca em 2009.

E esta decoração deixa algo a desejar. É escura e "apaga" um pouco a agressiva frente do modelo. Parece que as diferentes marcas de fabricantes de slot começam por lançar modelos menos bonitos, deixando os mais interessantes para outras alturas. Talvez tenham na calha o lançamento, por exemplo, do carro com a decoração do nosso Armindo Araújo, que parece que ganhou qualquer coisa (como não é espanhol...!).

O acabamento do modelo é muito bom, assim com a sua escala parece ser adequada e equilibrada.

A carroçaria é muito leve, pesando apenas 20,4 gramas, fabricada no mesmo tipo de plástico compósito que a do Peugeot 207 S2000 e a do Subaru Impreza.

O chassis é em tudo idêntico ao que equipa o Peugeot, incluindo eixos calibrados, cremalheira de 27 dentes de aperto e um único par de poleias de aperto para transmitir a tracção ao eixo da frente. A inclusão de parafusos M2 em locais estratégicos permite proceder à afinação da altura e basculação dos eixos dianteiro e traseiro. As jantes de 17' são em plástico, "calçadas" com pneus raiados e decorados. O chassis apresenta-se direito, sem qualquer tipo de empeno, e pesa 56,7 gramas, o que dá um peso total do modelo de cerca de 77 gramas.

A guia basculante apresenta uma intensidade também adequada, não parecendo ser necessário realizar qualquer afinação da força da mola.

O motor que acompanha este modelo é o Avant Slot Republic de 25,000 rpm a 12V e 7 gramas de potência magnética que, segundo informação do fabricante, é o motor mais equilibrado da sua gama. Só um teste em competição poderá confirmar tal afirmação.

Após lubrificação e ligeira afinação da altura do chassis e rodas à carroçaria (a forma como vinha montado de caixa implicava que as rodas traseiras tocassem a carroçaria), procedeu-se a um pequeno teste em pista Ninco limpa.

O carro evolui com ligeireza pela pista, entra bem em curva mas, tendo um centro de gravidade alto, necessita de alguns cuidados na sua saída. O motor é muito potente, com um bom poder de travagem e uma aceleração fulminante. Revela, no entanto, alguma tendência para "saltitar", fruto, talvez, da potência do motor ou do grip dos pneus. Algum trabalho adicional de afinação poderá colocá-lo ao nível dos melhores Grupo N. Perderá, talvez, frente ao Peugeot 207 ou ao Subaru Impreza em virtude do maior comprimento da traseira. Só em competição directa poderemos chegar a uma conclusão.

No próximo fim de semana irá entrar em competição, em substituição do 207 que tão boa conta tem dado de si em rally sujo. Será uma experiência interessante.